A Freira: "Quero levar o público a um passeio assustador", diz diretor Corin Hardy

Batemos um papo com o diretor do spin-off de Invocação do Mal

05/09/2018 13h41

Por Thamires Viana

A Freira, spin-off no universo Invocação Do Mal, chega aos cinemas nesta quinta-feira. Para entender melhor a escolha do elenco, os processos de filmagem e a trama que cerca o terror, batemos um papo com o diretor Corin Hardy, que nos contou detalhes de suas inspirações para o filme e revelou que, apesar de gratificante, gravar em um castelo na Romênia foi uma experiência desafiadora para todos que estavam presentes durante o processo. 

Confira a entrevista:

1. Como A Freira se encaixa no universo de Invocação Do Mal?

Corin Hardy: Foi importante para mim honrar o que foi criado no universo criado por James Wan. Fiquei emocionado em fazer isso, mas falar sobre algumas dessas conexões revelaria um pouco demais e eu quero preservar as surpresas! Ao mesmo tempo, eu queria dar ao público algo novo, um pouco diferente do que eles poderiam esperar. Neste filme, seguimos um exorcista, uma noviça em treinamento e um guia franco-canadense em uma jornada que os leva até uma abadia nas montanhas da Romênia. Eles estão lá para investigar o aparente suicídio de uma freira. Eu queria transportar o público junto com os personagens enquanto eles embarcam em sua misteriosa missão. Este é um tipo de filme ligeiramente diferente comparado com o que veio antes.

2. James Wan disse que cada diretor vai trazer sua visão única para esses filmes. Quando você leu o roteiro, o que você queria trazer para A Freira?

Corin Hardy: Eu adoro que ele seja ambientado em 1952 e em um castelo na Romênia, fazendo a história parecer nova e antiga ao mesmo tempo. Eu queria levar o público para uma jornada terrível e profana. Isso me deu uma oportunidade real de incorporar imagens clássicas de terror, usando castelos, conventos, cemitérios, neblina, luz de velas, vitrais e horror gótico, criando uma atmosfera cinematográfica rica, contrastante e imersiva. Isso remete a muitos filmes que eu cresci amando, como Drácula, os filmes italianos de Dario Argento e Lucio Fulci, O Exorcista e A Morte Do Demônio. O aspecto de aventura de A Freira ainda tem uma pitada de Indiana Jones E O Templo Da Perdição, onde os personagens viajam para um lugar que potencialmente não é mais sagrado e têm que descobrir o mistério que se esconde dentro dele. Então, A Freira contém todos os elementos que eu gosto como um contador de histórias.

A Freira

3. Você mencionou os aspectos de aventura do filme, mas deve ter sido uma aventura para você e para a produção filmar na Romênia, não é?

Corin Hardy: Absolutamente! Foi uma oportunidade maravilhosa fazer um filme na Transilvânia, o lar do clássico Drácula. Nós começamos a produção em Bucareste, onde tivemos nosso estúdio e construímos alguns conjuntos. Mas também viajamos para locais de grande alcance nas montanhas da Transilvânia, para o Castelo de Corvin, Sighisoara e aldeias rurais romenas. Foi tão autêntico quanto eu poderia esperar. Pude marcar vários ítens da minha lista depois de trabalhar em antigos conventos desmoronados, uma casa de gelo e um castelo! Nós tivemos uma equipe mista dos EUA, Europa e Romênia. Foi um desafio formidável para nossa designer de produção, Jennifer Spence e sua equipe, construir e melhorar as localizações dos castelos que estavam cerca de sete horas de distância de nossa base/estúdio. Meu diretor de fotografia Maxime Alexandre trouxe os equipamentos para ambientes bastante desafiadores! Foi um sonho de infância trabalhar com a ADI [Amalgamated Dynamics - empresa americana de efeitos especiais], que fez nossos efeitos de personagem e criatura. Eles foram meus heróis desde que eu cresci querendo ser um criador de monstros e artista. 

4. Vamos falar sobre os atores centrais da trama. Por que as escolhas de Demián Bichir (Padre Burke) e Taissa Farmiga (Irmã Irene) foram certas para este filme?

Corin Hardy: Todos os filmes no universo Invocação do Mal tiveram elencos realmente fortes, começando com Vera Farmiga e Patrick Wilson em Invocação Do Mal de 2013. Eu realmente queria defender essa qualidade. Eu vi Demián pela primeira vez nos filmes Che e Che 2 - A Guerrilha de Steven Soderbergh. Sua performance como Fidel Castro realmente me impressionou, assim como seu trabalho em Os 8 Odiados de Quentin Tarantino. Achei que poderia ser uma escolha interessante, pois considero Burke como o "Perseguidor Implacável" dos exorcistas. Ele esteve em algumas situações difíceis e carrega esse fardo de culpa. Eu sabia que com o papel, Demián criaria um personagem icônico e clássico. Ele e Irmã Irene são opostos. Ele é grisalho, rude e experiente, enquanto ela é uma inocente que ainda não sabe se a escolha de se tornar uma freira é certa para ela. Esta jornada a levará de um ambiente seguro para um encontro com um grande mal que mostrará sua força interior. Eu assisti a centenas de fitas de audição para esse papel, e inicialmente estávamos procurando alguém da Europa ou da Inglaterra para interpretar a irmã Irene. Quando eu vi o vídeo de Taissa, eu sabia que não havia necessidade de ver mais ninguém, porque ela tinha que desempenhar esse papel. Ela tem algo em seus olhos que se encaixa no gênero de terror e em sua fita de audição parecia que ela estava passando por uma experiência sobrenatural, como se ela estivesse vendo algo que você não podia ver. Foi um prazer trabalhar com eles. Todos estavam comprometidos com os personagens e com o filme e nos divertimos muito! Mas também foi um desafio ter que passar por muita escuridão juntos... [risos].

Cena de A Freira

5. Também houve muitos desafios físicos que vieram com os papéis. Como eles lidaram com isso?

Corin Hardy: Eu expliquei detalhadamente a forma que desejava que o filme fosse. Da mesma forma, sempre quis deixar os atores bastante confortáveis. Demián e Taissa passaram muito tempo na água, assim como Bonnie Aarons, que interpreta A Freira. Além disso, Bonnie teve que fazer a cena com maquiagem completa!

6. Bonnie interpretou esse papel em Invocação Do Mal 2. Você a conheceu neste filme?

Corin Hardy: Eu não conhecia Bonnie, mas sabia que ela tinha que voltar para fazer A Freira. Ela tem uma daquelas caras e personalidades clássicas. Depois de um tempo me lembrei de que ela estivera em Mulholland Drive - Cidade Dos Sonhos e que seu desempenho quase me causou um ataque cardíaco! Há um momento no filme em que ela interpreta uma pessoa sem-teto no final de um beco e ela sai de trás de uma parede incrivelmente assustadora em apenas uma única tomada. A Freira é um filme de origem e você descobre de onde esse personagem veio. Então nós a mostramos mais e explicamos muito sobre ela, mas também não queríamos mostrar tudo e nem explicar demais. Sendo um fã do gênero horror acho que pode ser um erro explicar muito sobre um personagem como esse. Eles precisam permanecer um pouco misteriosos para ficarem assustadores.

7. O que você espera que o público sinta quando vir A Freira nos cinemas?

Corin Hardy: Acredito que assistir a um filme de terror em uma multidão é uma experiência única e divertida. Eu quero levar o público a um passeio assustador, onde eles possam ficar totalmente imersos junto com nossos personagens enquanto eles os seguem para este mundo misterioso e aterrorizante de sombras, orações, freiras e demônios. Eles irão descobrir a verdade e o que se esconde nos túneis escuros daquela antiga abadia...

A trama de A Freira é ambientada na Romênia em 1951 e se concentra em um padre e uma noviça que são enviados pelo Vaticano para investigar o misterioso suicídio de uma freira. Os quatro primeiros filmes da franquia - incluindo Annabelle e sua sequência Annabelle: A Criação Do Mal - somam mais de US$ 1,1 bilhão nas bilheterias globais.

Aqui no Brasil, A Freira tem estreia marcada para o dia 06 de setembro.

Confira o trailer oficial: