Bruno Gagliasso fala de sua estreia nas telas em Mato de sem Cachorro

Comédia romântica tem Leandra Leal e o humorista Danilo Gentili no elenco

30/09/2013 07h16

Por Roberto Guerra

Bruno Gagliasso

Bruno Gagliasso: "Manter a verdade é o grande desafio"

Protagonista da comédia Mato Sem Cachorro, com lançamento nacional marcado para o próximo fim de semana, o ator Bruno Gagliasso conversou com a reportagem do Cineclick sobre sua estreia no cinema, produção exibida hors-concours na Première Brasil do Festival do Rio na última sexta-feira (27). Dirigido pelo estreante Pedro Amorim, Mato sem Cachorro com a história de Deco (Gagliasso), que depois de tomar um pé na bunda da namorada Zoé (Leandra Leal), planeja sequestrar Guto, cão de estimação do casal que sofre de uma doença que provoca desmaios sempre que fica excitado.

Você sempre procurou fazer papéis diferenciados na TV, que não é campo fértil para o diferente. Sua estreia no cinema busca ratificar esse propósito?
Estou colocando o pé agora no cinema e estou muito feliz. Consegui criar uma trajetória na TV incomum mesmo, pois sempre fiz personagens diferenciados. Não é todo mundo que tem essa oportunidade. No cinema quero fazer o mesmo. Até pelo respeito que tenho por essa arte, pensei bem em como iria começar. Comigo não tem essa de carreira na TV e carreira no cinema. Minha carreira é uma só e quero que ela tenha o mesmo perfil diverso não importa em que lugar.

Gostou do resultado de Mato sem Cachorro?
Minha expectativa é a melhor possível porque Mato sem Cachorro é uma comédia muito diferente do que vem se fazendo atualmente. É uma comédia, sim, mas as pessoas vão se emocionar também. O Deco é um mocinho muito diferente, um cara desprovido de vaidade, que começa o filme mal. A personagem da Leandra também foge do estereótipo da mocinha romântica tradicional. Ela é moderna, independente, despachada. Já começa o filme dando um pé na bunda de meu personagem.

Ficou ansioso em fazer seu primeiro filme?
É um tesão. Tem diferenças técnicas, mas a verdade é a mesma. Se você olhar no olho do ator e não ver verdade, pode ser cinema, teatro, TV, o que for, não vai dar certo. Isso é muito instigante e atraente. Circular por esses diferentes veículos e manter a verdade é o grande desafio. É claro que bate certa ansiedade.

Alguns atores brasileiros que se destacaram no cinema nacional hoje tentam carreira no Exterior. Pensa nisso a longo prazo?
Eu quero chegar lá fora por meio dos festivais, sendo dirigido e fotografado por brasileiros. Não tenho pretensão nenhuma de carreira no Exterior. Quero ver nosso cinema lá fora. Não é o caso de Mato sem Cachorro, que não tem perfil de filme que vai para festival, mas ainda assim é um filme divertido que vai surpreender muita gente por aqui.