Danilo Gentili fala de Mato sem Cachorro, sua estreia no cinema

Comediante divide a cena com Bruno Gagliasso e Lendra Leal em comédia que estreia em outubro

30/06/2013 14h04

Por Roberto Guerra

O paulista de Santo André Danilo Gentili ficou conhecido do grande público ao fazer sucesso no humorístico CQC, da Rede Bandeirantes. Hoje, na mesma emissora, comanda o talk show Agora É Tarde, além de manter uma agenda de shows de stand up. O comediante prepara-se agora para estrear no cinema em dose dupla. Seu livro "Como se tornar o Pior Aluno da Escola" está sendo adaptado para as telas sob sua supervisão. Em outubro estreia como ator na comédia Mato sem Cachorro em que divide a cena com Bruno Gagliasso e Leandra Leal. Gentili conversou com exclusividade com a reportagem do Cineclick e revelou detalhes de seu debut na telona.

Quando faz stand up ou apresenta seu programa o humor depende muito de você mesmo. Com foi fazer rir no cinema em que o trabalho depende do coletivo?
É isso mesmo. Em geral eu sempre escrevo minhas piadas, minhas esquetes e se ninguém rir eu me fodo sozinho. Cinema é diferente, é coletividade. Foi divertido fazer Mato sem Cachorro, mas estava me cagando de medo durante as filmagens. Medo de estragar tudo.

Qual foi a maior dificuldade?
A câmera que está longe, nunca está por perto. Eu não sabia se ela estava me enquadrando de perto, se estava em mim mesmo ou no cachorro ou na Leandra Lea. Isso me deixou tenso, com medo de exagerar. Daí desencanei e pensei que o maior interessado naquilo tudo era o diretor. Se ele estava dizendo que ficou bom eu tinha de acatar e relaxar.

Seu personagem é primo do protagonista vivido por Bruno Gagliasso. Resuma o Leléo.
Ele é um filho da puta sacana (risos). A forma que ele tem de demonstrar que gosta do primo é sacaneando ele. O Bruno está em depressão por causa da separação do cachorro e ele começa a ser bem sacana, fica cutucando o primo até convencê-lo da "brilhante" ideia de sequestrar o cachorro, o que vai dar em muita confusão.

Você participou da elaboração do roteiro?
Tive pouca participação. Na verdade, ajudei na criação de algumas piadas e também sugeri boa parte de minhas falas. Adicionei alguns diálogos cômicos para meu personagem. Essa foi minha maior contribuição. Agora vamos ver no que vai dar. Esse filme pode ser o início e o fim para minha carreira no cinema (risos). Depende de como for recebido, do que as pessoas acharem.

Qual sua avaliação dessa safra de comédias de sucesso no cinema nacional?
Tem comédia muito boa e bem ruim também. Mas isso é uma característica do cinema mundial e não só nacional. Você tem filme de super-herói bom e filme de super-herói que é uma merda. Tem drama bom e drama péssimo. Tem coisa boa que rende pouco e porcaria que faz milhões. Isso reflete um mercado de cinema que está crescendo. Quando você cresce você tem mais diversidade, mais filmes e filme ruim também faz parte dessa diversidade.

Assista ao trailer de Mato sem Cachorro: