Entrevista: "É um grande acerto por parte da Marvel", diz Emicida sobre Pantera Negra

Conversamos com o rapper sobre a importância do longa no cenário mundial

09/02/2018 15h35

Por Thamires Viana

Pantera Negra promete ser sucesso de público por trazer tom político e abordagens importantes como representatividade negra e liderança feminina. O longa com Chadwick Boseman no papel principal tem sido elogiado pelos críticos. Batemos um papo com o rapper paulistano Emicida e ele contou um pouco sobre a importância do filme na sua visão.

Dez motivos que explicam porque Pantera Negra é um dos melhores da Marvel

O cantor foi convidado para conferir a pré-estreia mundial do longa em Los Angeles e ainda se tornou o responsável pela música-tema do filme no Brasil, "Pantera Negra", que traz na letra sua história mesclada com a do super-herói.

Confira:   

1) O Pantera Negra vem sendo elogiado e apontado como um dos filmes mais políticos e fortes da Marvel, e que aborda questões além da vida de um super-herói. Na sua opinião, qual a importância desse
filme do ponto de vista político e social?

Emicida: É um grande acerto por parte da Marvel/Disney. Tanto no timing, quanto no time escolhido para fazer parte, é bastante significativo que o filme seja o que é, principalmente no Brasil, onde o Pantera Negra nunca foi muito conhecido, ele nunca nem mesmo teve um titulo próprio aqui. A história das grandes construções e contribuições africanas para o planeta foi muito invisibilizada. Fico feliz que mesmo superficialmente e baseado em uma ficção, o Pantera consiga apontar coisas tão bacanas como exércitos femininos e desenvolvimento tecnológico. Esses elementos são realidade na história do continente e essa "sugestão" pode fazer mais pessoas pesquisarem e virem a conhecê-las. A África foi vanguarda em uma série de coisas que por mera distorção acreditamos serem originalmente europeias.

Pantera Negra

2) O primeiro super-herói negro a ganhar um filme solo realmente digno é também um dos mais aguardados. Levando em conta que filmes de heróis costumam alcançar ainda mais o público, você acredita que ele poderá criar uma conscientização maior sobre o racismo, principalmente no cenário brasileiro?

Emicida: Acredito que o filme pode ajudar a construir uma imagem mais forte e respeitosa sobre pessoas de pele escura, dissipando estereótipos que nos amaldiçoam há tempos. Mas um filme é apenas um filme, embora ele capte um discurso que está no ar e tenha ganhado mais popularidade principalmente devido às mídias sociais, essa responsabilidade fora dele continua sendo nossa enquanto sociedade. E nesse sentido estamos indo mal, bem mal.

3) O filme é um dos poucos que acertam em cheio na representação da mulher negra, com personagens fortes e independentes. Na sua opinião, esse será outro grande ponto de conscientização na sociedade?

Emicida: Uma vez vi a Paulina Chiziane - escritora moçambicana - dizer que compramos coisas dos europeus que já eram nossas antes da colonização, mas erros de percurso nos fizeram achar que não eram. A África sempre teve exemplos de sociedades matriarcais, Rainha Nzinga, Seh Dong Hong Beh ou Cleópatra, são apenas alguns poucos exemplos de poderosíssimas mulheres africanas que foram ultra significativas para o seu tempo, em momentos da história onde a mulher valia algo próximo de nada em lugares na Europa, por exemplo. Dizem que entre os Iorubás, a palavra 'marido' tinha a ver com poder e não com gênero, O filme com certeza acerta nesse aspecto também e pode fazer com que as pessoas busquem essas grandes mulheres africanas reais da história, as Dora Milaje existiram.

Cena de Pantera Negra

4) Sabemos que na infância você era um grande fã de quadrinhos e tinha o sonho de ser ilustrador. Qual a sua relação com o personagem do Pantera Negra?

Emicida: Eu sou fã da Marvel, Stan Lee e Jack Kirby são deuses e ponto final. Gosto de muita coisa da DC também, coisas da Vertigo, mas acho a Marvel surpreendente na linguagem. Eu conheci o Pantera através da sua primeira aparição no Quarteto Fantástico na edição de 1966, mas eu obviamente o conheci de fato lá no fim dos 90. Coloquei ele numa caixinha de afetos torcendo para que ele ganhasse sustância até poder receber um titulo próprio. Fico feliz de estar aqui para ver isso.

5) Como foi para você receber o convite para conferir a pré-estreia em primeira mão em Los Angeles?

Achei foda, ver o filme junto com o elenco todo, conhecer alguns deles, ver vários ídolos da música ali presentes, foi foda!

+ Conheça os personagens do longa

6) Do que você mais gostou no filme? Ele superou as suas expectativas?

Eu admiro muito a arte de contar histórias, conseguir comunicar uma história como essa que pode ser complexa para grande parte do público por não conhecer o personagem, não reconhecer os vários temperos de africanidades espalhados pelo filme. Era uma tarefa difícil pra caramba, mas acredito que fizeram bem.

7) Sua música é uma grande homenagem ao herói. Como artista e fã, qual a sensação de ver sua letra acompanhando um filme tão importante da Marvel?

Sou um vencedor, é isso. Essa é mais uma das nossas vitórias que tem ares de sonho pois une duas grandes paixões da minha vida, a música e os quadrinhos.

Confira a música-tema composta por Emicida: