Giselle Itié (Os Mercenários)

13/08/2010 00h05

Por Vanessa Ribeiro

Dia 13/8, Os Mercenários estreia no Brasil. Enquanto isso, o elenco do filme está trabalhando na divulgação do longa, dirigido, estrelado e roteirizado por Sylvester Stallone.

Giselle Itié é um dos nomes conhecidos que aparecerão no filme, além de Jet Li, Dolph Lundgren e outros. A morena foi escolhida entre outras atrizes brasileiras para viver Sandra no filme, que mostra um grupo de mercenários que tenta livrar um país da América do Sul da ditadura.

Nascida no México, Itié veio para São Paulo ainda pequena, com apenas quatro anos, após o grande terremoto de 1985, que devastou a Cidade do México. Em 1998, começou a estudar teatro e resolveu se dedicar à arte. Entre seus trabalhos estão as novelas globais Esperança (2002), Kubanacan (2003), Começar de Novo (2004), Pé na Jaca (2006), O Profeta (2007) e a Bela - A Feia, que protagonizou na Record.

Por conta do seu talento, Stallone sentiu que ela merecia o papel: "Ela é muito mais durona que eu. Ela adora lutar, gosta de brigar", brincou o pai de Rocky Balboa, durante coletiva de divulgação do longa, no ano passado, no Rio de Janeiro.

Giselle Itié abriu o jogo com o Cineclick e nos contou um pouco mais sobre sua personagem.

É verdade que a única exigência feita por Stallone, para você viver Sandra, em Os Mercenários, foi a de que você perdesse alguns quilos?

Sim, sim. Tive de perder alguns quilos, pois a Sandra vive em um país pobre. Mas, além da exigência, também passei por uma entrevista diretamente com Sylvester Stallone e, depois de uma semana, fiz o teste para o papel de Sandra.

Como sua primeira experiência em Hollywood, Os Mercenários pode ter se tornado uma carga pesada em relação à responsabilidade na hora de atuar. Como foi sua reação ao saber que ficaria com o papel e trabalharia ao lado de Stallone e Jet Li?

Não consigo descrever minha reação. Fiquei muito feliz de fazer parte do elenco, é uma oportunidade que me deixou muito grata pela minha profissão.

Antes de participar do filme, você precisou fazer algum laboratório específico? A língua foi uma barreira ou foi tranquilo para você?

Não, a língua não foi uma barreira. Fiz laboratório com o ator Tatsu Carvalho, que é um grande ator de teatro e estudou no Actors Studio. A sua experiência me ajudou muito a encarar Hollywood pela primeira vez.

Você gosta de filmes de ação? Se sim, como isso te ajudou a construir a personagem? Se é que ajudou claro...

A Sandra é uma personagem muito humana, que luta contra a ditadura e pobreza que seu país sofre. Mesmo sendo um filme de ação, não precisei focar na ação e sim na sua força interna.

No Brasil, a indústria cinematográfica ainda está em expansão, embora tenha passado por uma evolução significativa. Mas, nesse momento, qual mercado pode ser considerado o mais vantajoso para atores e atrizes que querem encarar a sétima arte?

Acredito que o cinema é uma indústria aberta em vários países. Mas, para conseguir expandir nesse ramo, você precisa estudar. Quanto mais diferentes línguas o ator falar, mais oportunidades ele tem para trabalhar.

Depois desse trabalho, você tem algum outro projeto engatilhado para o cinema?

Tenho alguns projetos sim, mas ainda não posso revelá-los.

Depois de ser protagonista de Bela - A Feia e ganhar um papel em Os Mercenários, você pensa em seguir uma carreira internacional no cinema, como Alice Braga e Rodrigo Santoro, ou prefere continuar fazendo novelas?

Não tenho a intenção de separar esses gêneros, cinema, teatro ou TV, pois sou uma atriz. O bacana da minha profissão é poder usar as janelas que existem entre esses ofícios.

Deve ser muito legal trabalhar com astros tão experientes, que têm algo a agregar na carreira de outros atores. Mas, no núcleo de atores principais de Os Mercenários, tirando Stallone, com quem você se sentiu mais à vontade?

A maioria das minhas cenas foi com Stallone e o Jason (Statham). E eu me senti a vontade com todos, eles foram muito parceiros e me receberam muito bem. Agradeço a todos por isso.