Homem-formiga e a Vespa: "Gostamos de piadas estranhas", diz Paul Rudd em entrevista exclusiva

Ator volta a viver o heróis diminuto e falou sobre isso com o Cineclick

05/07/2018 18h00

Por Daniel Reininger

Paul Rudd dispensa apresentações e ele está de volta como Homem-Formiga no novo filme do Marvel Studios. Para saber um pouco mais sobre o filme, o Cineclick conversou com o astro de Homem-formiga e a Vespa, que chega nesta quinta (05), e a gente conta tudo abaixo. Confira:

Qual foi a diferença de escrever esse filme?

Paul Rudd: Do ponto de vista da escrita, é bom quando você começa a escrever e não precisa explicar nada, pois certos aspectos do personagem já são conhecidos. E você não precisa gastar muito tempo estabelecendo isso. Foi diferente para mim desta vez, em que com o primeiro havia um roteiro e uma história que existia antes de eu assinar como escritor. Eu estava escrevendo isso por padrão e nisso eu comecei com a história original. Agora, isso se transformou em muitos meses com outros escritores também.

Há um tom específico para o Homem-Formiga?

Paul Rudd: São temas semelhantes e é mais familiar do que a maioria dos outros filmes da Marvel. Mas também é abstrato e um pouco estranho, embora tenha uma estrutura geral. O enredo é simples: Temos que resgatar essa pessoa e só temos uma pequena janela de tempo para fazer isso. A partir daí, precisamos pensar nos obstáculos entre os heróis e esse objetivo.

Capitão América: Guerra Civil influenciou essa história? Lang começaria em prisão domiciliar de qualquer forma?

Paul Rudd: O desafio de trabalhar com qualquer filme da Marvel é fazer uma história contida que também se encaixe no Universo Cinematográfico da Marvel. Certos eventos aconteceram nesse tempo, inclusive a Guerra Civil. Então tivemos que resolver essa questão em relação ao meu personagem e imaginar o que poderia ter acontecido com outros, como Hope e Hank, durante esse tempo. Por isso, começamos lidando com as consequências de Scott ter ido para a Alemanha lutar ao lado do Capitão América e precisamos entender como isso afetou nossa história. Uma vez que lidamos com esses detalhes. Entramos em uma história contida em si mesmo que as pessoas vão entender mesmo sem ter visto Guerra Civil.

Homem-Formiga e a Vespa

O que você mais gosta sobre o Scott?

Paul Rudd: Uma das coisas que eu mais gosto nesse personagem é como ele enfrenta essas circunstâncias extraordinárias: encolhe, voa em formigas, visita o Reino Quântico e ele enfrenta tudo isso com senso de humor e com uma atitude despreocupada. E isso é divertido de fazer. Isso também dá ao público um pouco de diversão, pois eles veem alguém como Scott Lang e pensam que eles absorveriam toda essa loucura da mesma maneira. Isso é divertido!

Como é trabalhar com Peyton Reed?

Paul Rudd: Desde que Peyton entrou no projeto, concordamos sobre o tipo de filme que queríamos fazer, como eram importantes as risadas e como queríamos criar algo original dentro do gênero. Nós sempre quisemos fazer coisas divertidas e emotivas. Eu sinto que sempre estivemos na mesma página do filme que queremos fazer. Isso me passa confiança como ator e confio que ele está recebendo o que precisa como diretor.

E como enfrentaram o desafio de não fazer o mesmo filme de novo?

Paul Rudd: Esse certamente não é o mesmo filme que o primeiro. Pensamos sobre o que poderíamos fazer de único e estranho, mas sem sobrecarregar os espectadores. Estamos também estabelecendo algumas coisas que farão parte de outros filmes do Universo Cinematográfico da Marvel, então, pegamos elementos de estranheza que se encaixam em nosso amor pela esquisitice e criamos as piadas em cima disso. Peyton e eu gostamos de piadas estranhas, a propósito, assim como a Marvel, assim como Kevin Feige e Stephen Broussard. Eles são todos amantes da comédia. É muito legal trabalhar em um lugar onde você pode fazer uma referência a Neil Hamburger (comediante de stand-up) e o chefe do estúdio saber exatamente do que você está falando.

Laurence Fishburne é o personagem Golias dos quadrinhos, certo? Como funciona a relação dele e Han Pym?

Paul Rudd: Laurence Fishburne faz Bill Foster, um adversário de Hank Pym. Eles já trabalharam juntos e existia uma animosidade entre eles. Bill sente que teve que limpar a bagunça de Hank após um acidente e todas essas questões entres eles fizeram com que eles se afastassem por muitos anos, embora os dois sejam brilhantes. Existe muita história entre eles e a maior parte é conturbada.

Como foi trabalhar com eles?

Paul Rudd: Bem legal. Não importa quantos filmes você faça, quando você se vê em um set com Laurence Fishburne, Michael Douglas e Michelle Pfeiffer e todos estão falando um com o outro, você para e pensa: "Uau, como eu cheguei aqui?". É algo sensacional.

Homem-Formiga e Vespa

O laboratório de Hank Pym é um elemento importante, certo?

Paul Rudd: Sim! O laboratório é meio que uma batata quente. Ele encolhe e aumenta, é móvel e abriga o túnel para o Reino Quântico. Além disso, é o caminho para Janet voltar para casa. Só que a vilã Fantasma também quer encontrar Janet por motivos próprios e precisa do laboratório para isso. Sem falar em Burch, interpretado por Walton Goggins, que pretende vender o laboratório no mercado negro. Então, todas essas pessoas querem essa tecnologia e a disputa é um dos elementos principais da trama.

O que o público pode esperar desse longa?

Paul Rudd: O filme cumpre diversas expectativas. As pessoas podem esperar muitas emoções, não apenas com o relacionamento de Scott e sua filha, mas também com seu relacionamento entre Hope e Hank. Cada personagem do filme tem uma ligação pessoal com os outros e esperamos que as pessoas se relacionem com isso. Sem falar que os visuais são sempre impressionantes, como já é comum nos filmes da Marvel. Só que esse filme vai à loucura. Há sequências de ação como você nunca viu antes e é muito engraçado de uma forma surpreendente.

Homem-formiga e a Vespa está em cartaz e Vingadores 4 em abril de 2019. Veja o trailer: