De mestre do suspense a homem obsessivo, morte de Alfred Hitchcock completa 36 anos

Vida do diretor foi marcada pela genialidade e pelas polêmicas

29/04/2016 17h44

Por Iara Vasconcelos

Em 29 de abril de 1980, morria o cineasta britânico Alfred Hitchcock, em decorrência de uma insuficiência renal. Mesmo hoje, 36 anos depois de sua partida, o "mestre dos filmes do suspense" continua a ser referência para qualquer aluno de cinema ou aspirante à diretor. Pudera, com clássicos como Psicose - com a memorável cena do esfaqueamento no chuveiro - Janela Indiscreta, Um Corpo Que Cai, Festim Diabólico e O Homem Que Sabia Demais - todos com o astro James Stewart - no currículo fica fácil entender porque ele revolucionou o cinema mundial.

Hitchcock nasceu em Londres, Inglaterra. Na juventude, trabalhou na Henley Telegraph & Cable Company e começou a pegar gosto pela sétima arte. Em 1933, conseguiu emprego na Gaumont-British Picture Corporation, lá lançou o suspense O Homem Que Sabia Demais (1934),  seu primeiro filme para a companhia, que ganhou refilmagem em 1956. Nessa época, ele ja mostrava seu potencial para o suspense, que veio a ser seu gênero favorito.

O Homem que Sabia Demais

Logo o talento do britânico chegou aos ouvidos dos produtores de Hollywood. Em meados de 1939, ele se mudou para os Estados Unidos, onde construiu boa parte de sua carreira. Já no ano seguinte, dirigiu o thriller psicológico Rebecca - A Mulher Inesquecível, que lhe rendeu o Oscar pela direção.

Entretanto, a melhor época de Hitchcock ainda estava por vir. Foi durante as décadas de 50 e 60 que o diretor ganhou notoriedade, com filmes que marcaram para sempre a história do cinema como Disque M Para Matar, estrelado pela bela Grace Kelly, uma das atrizes favoritas dele, e Janela Indiscreta, que trouxe a loira como protagonista ao lado de James Stewart. A trama cativante faz ode ao voyeurismo e mostra um homem e sua namorada que, através da janela de seu apartamento, observam um susposto assassinato na casa do vizinho. O longa traz uma das maiores marcas de seu trabalho: A câmera subjetiva, que simula o olhar de um personagem e coloca o o espectador como cúmplice da cena.


Psicose

É impossível falar de Hitchcock sem falar de sua obra máxima. A produção só veio a confirmar o talento do cineasta para manipular o imaginário do espectador e despertar sensações intensas. A trama sobre o misterioso assassinato de Marion Crane (Janet Leigh) faturou 60 milhões de dólares nas bilheterias do mundo inteiro e causou comoção na platéia.  Com uma trilha sonora que entrou para a história, não à toa, o filme serve de referência quando o assunto é a importância do universo sonoro na construção de uma narrativa.

 


Aparições

Hitchcock também ficou famoso por figurar em seus próprios longas. O ícone fazia questão de marcar presença em suas produções. Foram cerca de 39 aparições ao longo de sua carreira, o que virou sua marca registrada e mais um dos elementos que compunham seu "modus operandi".

Ele passa em frente ao escritório de Marion trajando chapéu de cowboy em Psicose; Segura um bebê nos braços no início de Cortina Rasgada; Aparece em uma fotografia pendurada na parede em Disque M Para Matar; Passeia pela rua em Os Pássaros; Aparece caminhando aos exatos onze minutos de Um Corpo Que Cai; Dentre tantas outras participações.


Homem Obssessivo

O britânico sempre foi definido como um homem perfeccionista, audacioso e de feições simpáticas pelos colegas de trabalho, entretanto o gênio escondia um lado obscuro e assustador: Sua obsessão e paixão doentia pela atriz Tippi Hedren, protagonista de Os Pássaros e Marnie - Confissões De Uma Ladra. A história de bastidores foi parar nas telonas, no filme The Girl, que tem Sienna Miller e Toby Jones, na pele do diretor e da estrela respectivamente. A produção recebeu 3 Indicações ao Globo de Ouro.

Segundo o livro  "Fascinado pela Beleza", de Donald Spoto, Hitchcock agredia verbalmente e até fisicamente Hedren, que se recusava a manter uma relação com ele. No episódio mais pesado, durante as filmagens de Os Pássaros, a atriz foi atacada por pássaros reais na cena. Mesmo com ela no chão, machucada, o diretor ordenou que a cena fosse regravada. 

Por resistir ao assédio do cineasta, Tippi teve a carreira ameaçada. Presa ao contrato, ela viu as propostas de trabalho serem recusadas, até que Hollywood perdeu o interesse em sua figura, como contou a própria atriz em diversas entrevistas.

Tippi Hedren e Hitchcock

Dividido entre as polêmicas e a genialidade, Hitchcock conseguiu um feito reservado para poucos artistas: Ser tão intrigante quanto suas próprias obras. 

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus