Diretor iraniano Asghar Farhadi não iria ao Oscar mesmo que Donald Trump permitisse

Cineasta teme que decisão do político aumente tensão entre as nações

30/01/2017 11h00

Por Iara Vasconcelos

O consagrado diretor iraniano Asghar Farhadi será um dos atingidos pelas medidas anti-imigração impostas pelo presidente dos EUA Donald Trump. O cineasta concorre ao Oscar de "melhor filme estrangeiro" com O Apartamento e pode ser proibido de entrar no país depois da decisão do político de banir vistos iranianos e de outros países do oriente médio.

Entretanto, isso não afeta Farhadi, que prometeu não comparecer à cerimônia como forma de protesto, mesmo que seu visto seja liberado.

"Humilhar uma nação com o pretexto de manter a segurança de outra não é um fenômeno novo na nossa história e sempre estimulou a criação de divisões e inimizades futuras", afirmou ele. "Condeno as condições injustas impostas a alguns de meus comaptriotas e aos cidadãos dos outros seis países que tentam entrar legalmente nos Estados Unidos, e espero que a situação atual não nos leva a uma maior divisão entre as nações."

Vale lembrar que a atriz iraniana Taraneh Alidoosti, protagonista do longa, declarou na última quinta-feira (26) que também vai boicotar a cerimônia em protesto contra o que ela definiu como "projeto racista" do presidente Trump.

"A proibição de visto para os iranianos é racista. Estando incluída ou não, não asistirei ao #AcademyAwards 2017 como protesto", tuitou a atriz de 33 anos.

A cerimônia do Oscar 2017 acontece em 26 de fevereiro e terá cobertura ao vivo do Cineclick.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus