Entenda quem é Candyman, lenda urbana do assassino do espelho

Terror deve chegar aos cinemas brasileiros em junho

27/02/2020 15h38

Por Daniel Reininger

Candyman é o reboot de O Mistério de Candyman, terror de 1992. O filme ganhou um trailer assustador e deixou muita gente animada com o que vem por aí, mas você sabe de onde vem essa lenda urbana?

A história retrata um assassino de casaco, com gancho no lugar da mão direita, que aparece sempre que alguém repete cinco vezes seu nome diante de um espelho.

A história nasceu no conto de Clive Barker, publicado no Brasil pela DarkSide Books. Na história, Candyman era Daniel Robitaille, um dos muitos escravos de uma plantação de New Orleans. Ele se envolve com a filha do dono das terras e acaba morto sob tortura. Depois de espancado e ter sua mão decepada, é amarrado tem mel espalhado pelo seu corpo e rosto para ser atacado por abelhas e formigas. Pessoas que testemunharam o assassinato debocharam dele e o chamaram de Candyman 5 vezes. 

Daniel, antes de morrer, amaldiçoou todos que estavam ali e Candyman foi a última palavra que disse em vida. Um século depois, ele volta do Além com um gancho no lugar da mão cortada para quem ousasse pronunciar esta palavra cinco vezes em frente a um espelho. O destino do desavisado é a morte.

Candyman foi interpretado por Tony Todd no filme de 1992. O longa teve duas continuações, Candyman: Farewell to the Flesh (1995) e Candyman: Day of the Dead (1999).

No filme que será lançado em 2020, o aspecto psicológico também promete ser muito importante, afinal, o produtor é ninguém menos que Jordan Peele, diretor de Corra! e Nós. Quem assume a direção desse filme, por sua vez, é Nia DaCosta, de Little Woods

O elenco é encabeçado por Yahya Abdul-Mateen II, o Arraia Negra de Aquaman, no papel da entidade. O time de atores também conta com Teyonah Parris (Se A Rua Beale Falasse) e Nathan Stewart-Jarrett (O Menino Que Queria Ser Rei).

Candyman deve chegar aos cinemas brasileiros no dia 11 de junho. 

Confira o trailer: 

 


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus