Festival de Cannes começa com destaque para Nicole Kidman e forte esquema de segurança

Evento acontece até 28 de maio, na França

17/05/2017 10h41

Por Daniel Reininger

O Festival de Cannes começa nesta quarta-feira (17) sua 70ª edição e tem como principais estrelas as atrizes Nicole Kidman, Julianne Moore e Jessica Chastain. Esse ano a festa já começa com uma novidade que promete dar o que falar, afinal foi precedida pelo anúncio de um documentário de Michael Moore sobre Donald Trump

Outra novidade é a presença do cineasta Pedro Almodóvar à frente do Júri. É a primeira vez que um espanhol comanda o grupo que anunciará a Palma de Ouro no dia 28 de maio. Outros membros são Will Smith e Jessica Chastain, a chinesa Fan Binbing e a alemã Maren Ade.

Destaques

A mostra competitiva conta com dezenove filmes, a maioria de diretores consagrados em Cannes. Um dos favoritos é Happy End, do austríaco Michael Haneke. Caso vença, o cineasta pode se tornar o primeiro a faturar três Palmas de Ouro, afinal ele venceu anteriormente com A Fita Branca e Amor.

The Killing of a Sacred Deer, com Nicole Kidman e Colin Farrell, é a aposta do grego Yorgos Lanthimos, famoso por O Lagosta. A atriz de Big Little Lies e vencedora do Oscar é o grande nome desta edição do festival e também está presente em outras duas produções: How to Talk to Girls at Parties, que faz parte da competição, e a série de TV Top of the Lake, da diretora Jane Campion.

Julianne Moore está em Wonderstruck, do norte-americano Todd Haynes. O Festival também deve ter a presença de Uma Thurman, Kirsten Dunst, Joaquin Phoenix, e o diretor mexicano Alejandro González Iñárritu, que apresentará o curta-metragem de realidade virtual Carne e areia, sobre a travessia de imigrantes ilegais na fronteira com os Estados Unidos.

Sofia Coppola também está na disputa, com O Estranho que Nós Amamos, longa baseado no filme de 1971 protagonizado por Clint Eastwood.

A italiana Monica Bellucci volta a ser a anfitriã, papel que já desempenhou em 2003. Les fantômes d'Ismael, do francês Arnaud Desplechin e estrelado por Marion Cotillard, foi selecionado como filme de abertura.

Segurança

Serão 12 dias de festa, que conta com esquema de segurança inédito, afinal o país permanece em estado de emergência após a onda de atentados que sofre nos últimos anos.

Trezentas barricadas disfarçadas de jardineiras foram instaladas nos arredores do Palácio dos Festivais. O objetivo é evitar um atentado com um veículo. Não custa lembrar que 10 meses atrás aconteceu o ataque com um caminhão em Nice que deixou 86 mortos.

Além disso, o evento conta com 550 câmeras de segurança e foram mobilizados não só policiais, mas também militares, segundo o prefeito da cidade, Georges-François Leclerc.

Polêmicas e novidades

O festival mal começou e já está dando o que falar. A Netflix faz sua estreia na competição oficial em meio a muita polêmica. A seleção de Okja do sul-coreano Bong Joon-Ho e The Meyerowitz Stories, do americano Noah Baumbach, provocou indignação por não serem exibidos nos cinemas do país. A pressão obrigou o festival a adotar uma nova regra e a partir de 2018: todos os filmes precisam estrear nos cinemas da França.

Na véspera da abertura, o diretor americano Michael Moore confirmou que trabalha em um documentário sobre Donald Trump com o título Fahrenheit 11/9, dia do anúncio dos resultados da eleição presidencial e referência a seu filme Fahrenheit 11 De Setembro, que tratava sobre o ataque às Torres Gêmeas. "Sim, estou fazendo um filme para sair dessa confusão", o cineasta postou no Twitter. O anúncio oficial deve acontecer em Cannes.

Além disso, o argentino Ricardo Darín, que vai apresentar seu novo filme no evento, o thriller político La Cordillera, fará parte do elenco do próximo projeto do diretor iraniano Asghar Farhadi, que ganhou duas vezes o Oscar de melhor filme estrangeiro (por O Apartamento e A Separação). Darín se junta a Penélope Cruz e Javier Bardem num thriller sobre o sequestro de uma jovem.

O Festival de Cannes acontece até 28 de maio, na França.