Friends: David Schwimmer quer reboot com negros ou asiáticos

Ator falou sobre a campanha que fazia desde a época em que a série estava sendo televisionada

28/01/2020 16h04

Por Thamires Viana

O ator David Schwimmer, o Ross Geller de Friends, revelou que quer ver um reboot da série de sucesso com atores negros ou asiáticos. Dada a popularidade duradoura da atração, juntamente com o aumento de reinicializações, muitos estão se perguntando se a turma podia se reunir novamente no Central Perk. (via ScreenRant)

No entanto, nada de concreto foi revelado e, se for solicitado a Schwimmer, as chances de isso acontecer são muito pequenas. Ele quer ver uma reinicialização da série, mas com um elenco totalmente diferente. Em entrevista ao The Guardian, o ator falou sobre a diversidade de Friends, que ele admite que poderia ter feito um trabalho muito melhor nesse aspecto. 

"Talvez deva haver um grupo de amigos totalmente negros ou asiáticos. Mas eu estava ciente da falta de diversidade e fiz campanha por anos para que Ross namorasse mulheres negras. Uma das primeiras namoradas que tive no programa foi uma mulher asiática (Julie) e depois namorei mulheres afro-americanas. Foi um esforço muito consciente da minha parte", disse o ator.

Ele também aproveitou para falar sobre a abordagem religiosa da série. "É interessante também como o programa lidou com o judaísmo dos personagens. Eu não acho que tenha sido algo que abalou a terra, mas fiquei feliz por termos tido pelo menos um episódio em que não era apenas sobre o Natal. Também era Hanukkah e, embora eu tenha vivido um tatu de Hanukkah, fiquei feliz por termos pelo menos reconhecido as diferenças na observação religiosa", completou.

Centrado em um grupo de jovens de 20 anos que moram na cidade de Nova York, Friends recebeu elogios da crítica durante toda a sua permanência na TV. Seu elenco principal de personagens - Rachel, Monica, Phoebe, Ross, Chandler e Joey - se tornaram nomes conhecidos à medida que a série continua expandindo seu grande número de fãs mesmo depois de mais de duas décadas. 


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus