"Há muito fast food no cinema e pouca cozinha francesa", diz Luc Besson em coletiva

Diretor se juntou ao ator Dane Deehan na divulgação de Valerian em São Paulo

03/08/2017 18h01

Por Iara Vasconcelos

O diretor francês Luc Besson, conhecido pelo grande público por O Quinto Elemento, e o ator Dane Dehaan, o Duende Verde de O Espetacular Homem-aranha 2: A Ameaça De Electro, estão no Brasil para divulgar Valerian E A Cidade Dos Mil Planetas, sci-fi inspirado em uma série de histórias em quadrinhos escritas por Pierre Christin e que eram as favoritas de Besson na infância.

A superprodução, que também conta com Cara Delevingne (Esquadrão Suicida) e a cantora Rihanna no elenco, narra a história de Valerian e Laureline, dois agentes intergalácticos encarregados de manter a ordem em todos os territórios humanos e que embarcam em uma missão arriscada que os aproximará cada vez mais. 

Durante coletiva de imprensa realizada em São Paulo, a dupla contou um pouco mais sobre o processo criativo e os principais desafios que enfrentaram durante as filmagens.

O cineasta revela que trabalhou no projeto por sete anos e que tinha o sonho de adaptar a história por muito tempo: "Eu acho que esse é o momento perfeito da minha carreira para lançar um filme desse porte. Eu descobri Valerian quando era apenas um garotinho de 10 anos. Vivia em um lugar sem muitas coisas para me entreter, apenas uma TV em preto e branco, nem música eu podia ouvir, pois meu padrastpo detestava. Então quando eu finalmente tive a oportunidade de ler duas páginas da história pela primeira vez, eu me apaixonei por eles, principalmente por Laureline, que era um ideal de mulher forte, mas com valores morais tradicionais, assim como o seu parceiro. Eu via muito dela na minha mãe, que sempre me criou com bastante garra e não reclamava das adversidades".

De cara, Besson deixou claro que Valerian não é um filme de super-heróis e aproveitou para dar uma alfinetada nos grandes blockbusters que enchem as salas de cinema:

"Definitivamente eles não são super-heróis. Nesse longa não há nada sobre poderes, salvar o mundo ou qualquer propaganda sobre supremacia americana. É um filme para pessoas normais conseguirem se identificar. Eu conheço muita gente assim na minha vida. Pessoas que são heróicas, mas que não são super-heróis. Há muito fast food no cinema e pouca cozinha francesa".

DeHaan comprou a ideia do diretor  - que também é seu amigo pessoal, desde o início e se dedicou ao máximo para trazer fidelidade ao personagem: "Eu não me inspirei em nenhum personagem do passado ou de outros filmes, nada de Han Solo ou coisa do tipo. Eu sempre quis ser o Valerian. Desde minha primeira com Besson, eu tive a certeza de que deveria honrar o personagem e levar a sua verdade para as telas, mostrá-lo como ele é".

Mesmo com a empolgação que exalava no set, o ator revela que houve algumas dificuldades: "Gravar em um fundo verde é sempre complicado porque precisamos de criatividade extra. O Luc me ajudou bastante pois trabalha nisso muito antes de eu ser escalado para o filme. Então, ele já chegou com a ideias formadas em sua cabeça, me indicando como eram as fisionomia dos personagens de computação gráfica. É quase como voltar a ser criança. Você coloca sua roupa de astronauta e brinca de faz de conta".

Rihanna

Rihanna


A cantora caribenha fez uma participação especial na trama que tem tudo a ver com sua personalidade. Sua personagem é uma entertainer que canta, dança e se transforma, algo que a popstar já está acostumada a fazer nos palcos. Mas como a escalação de Rihanna para o elenco aconteceu? Na verdade, já faz tempo que a intérprete de "Umbrella" começou a se dedicar ao cinema. Nesse ano mesmo, ela já fez Marion Crane na série "Bates Motel" e se prepara para estrelar Ocean's Eight, versão feminina de "Onze Homens E Um Segredo". Entretanto, Besson afirma que não conhecia Rihanna tão bem assim quando a escolheu para o papel.

"Eu nem sabia que ela era uma cantora. Nos conhecemos em um teste de elenco e a achei muito boa. Ela se entregou completamente e não me deu mais trabalho do que tive com Dane ou Cara". Se o diretor desconhecia de fato Riri, isso não saberemos, mas fica evidente que ele ficou satisfeito com sua escolha.

Sonhador

Besson afirma que Valerian é uma metáfora para a história da humanidade, principalmente dos povos indígenas nativos de toda a América, que tiveram seu povo assassinado em nome de uma falsa supremacia. Apesar de seguir um tom mais realista, ele afirma que sempre quer manter o tom lúdico em suas obras: "Eu sou um sonhador, então você nunca me verá fazendo um filme sobre um casal que vive brigando. Tem diretores que conseguem fazer isso, mas eu não consigo. Acho que a cada dia mais a sociedade está roubando a nossa liberdade e a imaginação é a minha forma de me livrar dessas amarras".

Valerian E A Cidade Dos Mil Planetas chega aos cinemas no proximo dia 10 de agosto. Confira o trailer:

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus