Katniss prova que heroínas estão em alta no cinema

Relembre outras personagens que se destacaram em filmes de ação e ficção científica

26/11/2014 20h25

Ainda não é tão comum quanto deveria, mas cada vez mais filmes de ação e ficção-científica são protagonizados por mulheres. Katniss Everdeen de Jogos Vorazes, interpretada por Jennifer Lawrence (X-men: Dias De Um Futuro Esquecido), é o exemplo mais recente, mas mostra que o público tem aceitado cada vez mais heroinas femininas como protagonistas.

A personagem criada por Suzanne Collins tem tudo para se tornar icônica. Com certeza, para muitos ela já se tornou devido à sua bravura e carisma. E não é para qualquer um ter a coragem de substituir a irmã mais nova para entrar em um torneio cruel, realizada em uma arena com outros jovens, onde apenas um deve sair com vida.

O belo trabalho da vencedora do Oscar de melhor atriz de 2013, além de servir para afirmar que filmes protagonizados por mulheres podem, sim, fazer bastante sucesso, ajuda a tornar a jovem guerreira uma referência para os fãs de filmes de ação.

Muito desse sucesso da Katniss nas telonas se deve, além da competência de Lawrence, a outras heroínas do cinema que ganharam bastante popularidade. Uma das primeiras a causar grande repercussão no meio cinematográfico foi a Tenente Ellen Ripley, da franquia Alien, interpretada por Sigourney Weaver.

Tenente Ripley

Ícone dos filmes de ficção-científica da década de 1980, a personagem nunca fugia das lutas e foi a única pessoa a sobreviver ao O Oitavo Passageiro do título.

O filme cria a expectativa de que esse único sobrevivente seja o capitão da nave Nostromo, Dallas (Ton Skerritt), mas quando percebe-se que não é bem assim, a surpresa do espectador é bem maior. A escolha de Ridley Scott em não matar Ripley, além de fugir do óbvio, contribuiu para a popularização da personagem, o que ajudou a reforçar a tese que colocar protagonistas femininas era um ótimo caminho.

Na década de 2000, outras duas personagens deixaram sua marca, talvez mais do que quaisquer outras, Alice, da série Resident Evil, e Beatriz Kiddo, de Kill Bill.

A primeira ganhou vida com a atriz Milla Jovovich. No primeiro filme, Resident Evil - O Hóspede Maldito, Alice é obrigada pela Corporação Umbrella a ir para a Colmeia, um gigantesco laboratório subterrâneo de pesquisa onde a inteligência artificial Rainha Vermelha mata todos os funcionários para que o T-Vírus não atinja toda a sociedade.

O carisma de Jovovovich ajudou a ganhar o respeito dos fãs, principalmente os que conheciam a franquia dos videogames. Não que os filmes façam jus aos jogos, mas, ao menos, conseguem divertir à sua maneira.

Já Uma Thurman, em Kill Bill: Vol. 1 e Volume 2, prova que é boa de briga, vivendo a personagem conhecida como Noiva no longa de Quentin Tarantino (Bastardos Inglórios). Grande parte do sucesso dos longas é por causa da interpretação de Uma Thurman, cuja personagem se tornou referência no gênero ação e dos filmes de artes marciais, algo que apenas homens conseguiram antes, como Bruce Lee e Van Damme.

Sem dúvida, o cinema está começando a olhar com outros olhos para as heroínas, não custa lembrar de Viúva Negra (Scarlett Johansson), Lara Croft (Angelina Jolie), Selene (Beckinsale), entre outras. O mais importante é que a tendência mostra que veremos bem mais atrizes protagonizando os grandes filmes de ação do que antigamente. Os futuros longas da Mulher Maravilha e da Capitã Marvel estão aí para provar - Ainda bem.