Lista: Filmes pouco conhecidos que você precisa assistir e estão na Netflix

Confira algumas dicas do que assistir no serviço

27/04/2018 13h30

Por Vinicius Liessi

As plataformas de streaming substituíram as videolocadoras e se consolidaram como o meio mais utilizado para assistir filmes no conforto de casa. Se antes precisávamos nos deslocar até uma loja para alugar um DVD e depois repetir o processo para devolvê-lo, hoje só precisamos de alguns cliques para decidir o filme que assistiremos. Esta é uma conveniência que torna a experiência de assistir um filme muito mais prática, ainda que o gradativo desaparecimento das mídias físicas acabe gerando uma certa nostalgia.

Atualmente, a Netflix é a maior plataforma de streaming do mundo, porém a grande variedade de títulos disponíveis em seu catálogo pode complicar o simples ato de escolher um filme para assistir. Quem nunca entrou despretensiosamente no catálogo e quando viu já tinha ficado por lá mais tempo que o necessário? Isso acontece com todos nós e o propósito desse post é justamente ajudar o leitor que se encontra nessa situação.

Com diversos títulos renomados no catálogo da Netflix, muitas vezes alguns filmes de ótima qualidade acabam passando em branco e ficam injustamente escondidos lá no fundo de alguma categoria que nós dificilmente daríamos atenção se não fosse por alguma indicação. Por isso, a lista a seguir traz 10 filmes pouco conhecidos  que merecem sua atenção.

10 – O Que Fazemos Nas Sombras (2014)

O Que Fazemos Nas Sombras é um mocumentário que acompanha a rotina cômica de quatro vampiros que devem se adaptar às adversidades do mundo moderno. Apesar de terem vivido por séculos, eles ainda encontram dificuldades em lidar com tarefas rotineiras como lavar a louça e manter a organização da casa.

A narrativa traz uma nova perspectiva ao gênero de vampiros, mostrando um lado cômico dessas criaturas ao coloca-las em situações absurdas que jamais seriam cogitadas por um filme mais tradicional. Em uma das cenas, o grupo de vampiros se depara com um grupo rival composto por lobisomens e as interações que se desenvolvem são simplesmente hilárias.


9 – Nise: O Coração da Loucura (2015)

Nise da Silveira foi uma renomada médica psiquiatra brasileira conhecida por humanizar o tratamento psiquiátrico no Brasil ao se contrapor às formas agressivas de tratamento em sua época. O filme acompanha o período em que Nise (Glória Pires) saiu da cadeia e foi trabalhar em um hospital psiquiátrico no Rio de Janeiro, onde se viu horrorizada com o tratamento que os pacientes recebiam.

Nise: O Coração da Loucura

Uma de suas primeiras providências foi incluir atividades artísticas na rotina dos pacientes. Para isso, ela os ajudava a pintar quadros ou desenvolver qualquer outra atividade relacionada à arte. O resultado se mostrou positivo em pouco tempo, revelando o poder da Terapia Ocupacional e estabelecendo bases sólidas para profissionais do ramo que tiveram contato posterior com sua metodologia de trabalho.

+ Conheça o site de Vinicius Liessi, o Cinema Depois do Café

8 – Buster's Mal Hearth (2016)

No Wikipedia, Buster's Mal Heart é descrito como um "suspense surrealista". Essa descrição não poderia ser mais precisa. O filme de Sarah Adina Smith acompanha um ermitão (Rami Malek) que vaga pelo mundo dormindo na casa de estranhos enquanto tenta sobreviver ao inverno.

Durante a jornada do protagonista, ele tem diversos sonhos sobre um homem perdido no mar. Aos poucos, vai descobrindo que ele é, e ao mesmo tempo, não é o homem que vê em seus sonhos. Este é um filme estranho que não segue uma linha narrativa muito clara e nem apresenta grande coerência no roteiro, mas é definitivamente uma experiência cinematográfica válida para quem busca por algo fora do padrão.


7 – Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe (2017)

Ambientado em Nova York, o filme acompanha a reunião inusitada de uma família composta por membros excêntricos. Dentre eles está Harold Meyerowitz (Dustin Hoffman), o patriarca da família, sua esposa Maureen (Emma Thompson) e seus filhos Matthew (Ben Stiller), Danny (Adam Sandler) e Jean (Elizabeth Marvel).

O ponto alto do filme se encontra em seus diálogos realistas que resultam em interações curiosas, lembrando muito o que Woody Allen havia feito no clássico Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977). Aqui, o diretor e roteirista Noah Bambauch opta por conduzir a história apresentando-a como uma sucessão de episódios, muitos deles com momentos marcantes que se aprofundam de maneira sensível nas cicatrizes que marcam aquela família.

6 – Fruitvale Station: A Última Parada (2013)

A verdadeira história de Oscar Grant III (Michael B. Jordan), um homem negro de 22 anos, no último dia de 2008, onde sua vontade de mudar é desafiada por seu passado e pela polícia. Produzido por Forest Whitaker, este é um filme emocionante que supera a tristeza presente em sua temática principal para fazer uma calorosa celebração à vida.

Fruitvale Station

O filme trata da fragilidade da vida de um homem negro que testemunha a hostilidade policial da pior forma possível. A história, que se propõe a debater uma questão simplesmente ignorada pelos canais de notícias e pelas pessoas nas redes sociais, tem o incrível poder de gerar uma reflexão interna no espectador sobre questões políticas e sociais do mundo contemporâneo.


5 – Grave (2016)

Expoente tardio da New French Extremity, Grave é uma mistura entre drama adolescente, terror e humor negro. Justine (Garance Marillier) é uma adolescente que cresceu como vegetariana devido à influência dos pais. Quando ela vai morar no campus da faculdade, acaba comendo um pedaço de carne que resulta em sérios danos físicos e mentais.

Misturando uma pitada de body horror a uma atmosfera sutil de terror, Grave foi uma das grandes surpresas dentro do gênero em 2016. Apesar de seu lançamento ter sido um pouco conturbado devido às manchetes sensacionalistas, o filme vai muito além da repercussão criada pelas campanhas de marketing ao apresentar uma qualidade técnica e narrativa que o diferencia da grande maioria dos filmes de terror atuais.


4 – Ferrugem e Osso (2012)

Alain (Matthias Schoenaerts) é um homem bruto de poucas palavras que encontra dificuldades em manter um emprego e, principalmente, em se relacionar com seu filho pequeno; Stéphanie (Marion Cotillard) é uma ex-treinadora de baleias que perdeu as duas pernas em um acidente de trabalho e agora busca se acostumar com sua nova condição.

O cinema francês tem uma sensibilidade incrível para tratar questões da natureza humana e Ferrugem e Osso é uma grande prova disso. A trama acompanha dois personagens fragilizados pelas adversidades da vida buscando na companhia do outro a força necessária para lidar com graves problemas. Acima de tudo, Ferrugem e Osso é uma aula sobre resiliência, mostrando de forma delicada como nosso caráter é moldado a partir de nossas experiências, principalmente das dificuldades que enfrentamos ao longo do caminho.


3 – Frank (2014)

John Burroughs (Domhnall Gleeson) é um jovem que sempre quis viver da música, mas se encontra preso na rotina do emprego comum. Quando um inesperado convite aparece, é a chance que John estava esperando. Ele se junta à banda Soronprbfs, liderada pelo vocalista Frank (Michael Fassbender), uma figura excêntrica que se esconde atrás de um cabeça gigante feita de papelão.

FRANK

Apesar do caráter experimental, Frank conta com um elenco composto por grandes nomes como Domhnall Gleeson, Michael Fassbender, Maggie Gyllenhaal e Scoot McNairy. Se você gosta de filmes com uma pegada musical irreverente (como Scott Pilgrim), Frank pode ser exatamente aquilo que você está procurando. Independente de suas preferências, esta é uma comédia original que consegue um efeito de imersão bastante eficaz ao conciliar sua estética vanguardista com as músicas psicodélicas que conduzem a história.


2 – Já Não Me Sinto Mais Em Casa Nesse Mundo (2017)


Após ter um péssimo dia no trabalho, Ruth (Melanie Lynskey) percebe que seus pertences foram roubados ao chegar em casa. Ela entra em contato com a polícia, mas eles não se mostram nem um pouco interessados em ajudá-la. Ruth então rastreia seu computador via aplicativo móvel e, com a ajuda de seu vizinho Tony (Elijah Wood), vai em busca dos criminosos para cobrar a justiça que lhe cabe.

Já Não Me Sinto Mais Em Casa Nesse Mundo começa com um ritmo lento e contemplativo que vai se acelerando até chegar em um ato final que parece ter vindo de outro gênero completamente diferente, equilibrando-se entre uma comédia leve e um suspense de tirar o fôlego. Este é um filme que encontra grandeza dentro de sua simplicidade, ideal para pessoas que se divertem assistindo situações normais saindo totalmente do controle e, assim, subvertendo todas as nossas expectativas.


1 – Frances Ha (2012)

Frances Ha é o tipo de filme que todo mundo deveria assistir pelo menos uma vez na vida. Por meio de uma premissa simples, acompanhamos a rotina de uma jovem lidando com problemas pelos quais todos nós já passamos um dia. Instabilidade emocional, saldo bancário negativo e dificuldade para encontrar um aluguel que caiba em seu orçamento são só alguns dos problemas vividos por Frances (Greta Gerwig) enquanto ela tenta se virar na agitada cidade de Nova York.

O filme é resultado da parceria entre a própria Greta Gerwig, que ajudou na construção do roteiro e protagonizou a obra, e seu companheiro na vida real Noah Baumbach, que dirigiu e co-escreveu o roteiro. O resultado é uma história simples, porém muito humana, capaz de retratar diversas nuances de algo que passa batido em nosso dia-a-dia: o simples ato de viver. Frances Ha provavelmente irá render diferentes interpretações dependendo da fase da vida em que você o assistir e esse é um dos tantos motivos que o torna um filme tão especial.

Sobre o autor: Vinicius Liessi é editor do Cinema Depois do Café, blog focado na elaboração de listas e críticas de filmes

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus