Mostra: Aliança do Crime e Labirinto de Mentiras abordam relação entre governo e criminosos

Filmes retratam essa estranha relação de troca, na qual os criminosos são protegidos para, em teoria, a sociedade ser beneficiada

29/10/2015 10h51

Por Daniel Reininger

A Mostra de São Paulo está chegando ao fim, mas ainda dá tempo de assistir a dois dos longas mais intrigantes dessa 39ª edição: Aliança Do Crime e Labirinto De Mentira, dois filmes poderosos, com grandes atuações, que retratam o acobertamento de crimes pelos governos em pró de um suposto bem maior, que nunca compensa de fato.

Cotado para o Oscar 2016Aliança do Crime acompanha James "Whitey" Bulger (Johnny Depp), líder de uma gangue que resolve todos os seus problemas na base da violência. Mesmo assim, consegue um acordo com o FBI para agir impunemente em troca de informações que acabariam com a máfia na cidade de Boston e, consequentemente, ajudariam James a se tornar o líder do crime local.

Labirinto de Mentiras, concorrente alemão ao Oscar 2016, mostra como na Alemanha de 1958 todos se esqueceram do Holocausto e dos crimes cometidos pelos nazistas, acobertados e protegidos pelo governo, até que um jovem procurador descobre fatos capazes de incriminar milhares de pessoas envolvidas no massacre.

Os filmes retratam essa estranha relação de troca, na qual os criminosos são protegidos para, em teoria, a sociedade ser beneficiada de alguma forma distorcida, mas, na verdade, os motivos para tais decisões são egoístas e beneficiam apenas os criminosos, cuja influência ajuda a mantê-los anônimos. Sim, é uma realidade assustadora.

Johnny Depp está completamente fora de sua zona de conforto como chefão do crime que domina a cidade com a ajuda do FBI. A parceria se dá por intermédio de John Connoly (Joel Edgerton), agente que cresceu na mesma vizinhança de Bulger e o trata como herói. A relação dos dois é de extrema importância para o filme e lembra muito a situação de Os Infiltrados, de Martin Scorsese.

Só que Bulger é um verdadeiro psicopata, um dos assassinos mais intolerantes que você pode imaginar, suas vítimas acabam mortas até mesmo por contrariá-lo em frente aos amigos. Ainda assim, lá está o FBI ajudando e protegendo-o. Claro que o filme tenta diminuir a culpa da agência norte-americana mostrando como John Connoly manipulou o sistema, mas a verdade é que o governo deu carta branca para um psicopata agir no submundo de uma das maiores cidades norte-americanas por décadas e isso só mudou quando era tarde demais.

Labirinto de Mentiras

Enquanto Labirinto de Mentiras mostra como nazistas sobreviventes da Segunda Guerra Mundial continuam trabalhando normalmente no país. Embora tentem levar vidas normais, não podem apagar as atrocidades cometidas. Só que existe um senso de lealdade a esses homens, que são protegidos e escondidos pelas agências do governo que querem esquecer os horrores da guerra e deixar os criminosos livres para viverem suas vidas, com a desculpa de que apenas seguiam ordens do psicopata Hitler.

Só que o filme mostra (e como sabemos por outras fontes) que esses "soldados" não apenas cumpriam ordens e o nível de sadismo nos campos de concentração era algo absurdo, que deveria ser julgado - como de fato acontece - para que a sociedade alemã pudesse lidar com o fato e aprender com os próprios erros. O impressionante do filme é exatamente ver como os jovens alemães da década de 50 não faziam ideia do que aconteceu na guerra, nunca ouviram falar de Auschwitz e outras atrocidades. Isso precisaria mudar para que erros do passado não fossem repetidos.

Labirinto de Mentiras pode ter seus problemas, tanto pelo exagero melodramático, quanto pela perda de ritmo lá pela metade da narrativa, mas o longa, de fato, retrata eventos (investigação e julgamento de nazistas) que servem como lição para o mundo: É preciso enfrentar o passado para seguir para o futuro.

As produções ainda tem sessões na Mostra 2015, confira a programação. O evento segue até dia 4 de novembro, com mais de 300 filmes exibidos em diversos cinemas da capital paulista.

Veja os trailers dos dois filmes: 

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus