O Mecanismo: Política e bom-humor dominam coletiva de imprensa no Rio de Janeiro

José Padilha e o elenco revelaram detalhes sobre a série que estreia no dia 23 de março

15/03/2018 21h58

Por Thamires Viana

A Netflix promoveu uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira (15) para apresentar sua nova produção original, O Mecanismo, série baseada nos acontecimentos da Operação Lava-Jato que irá abordar em oito episódios o maior escândalo da política brasileira e retratar como um pequeno grupo de investigadores desvendou o terrível esquema de corrupção do país.

Com a presença de todo o elenco, criadores e o VP de Conteúdos Originais da Netflix, o bate-papo foi uma forma de contar um pouco mais os detalhes da atração, mas também foi palco de assuntos políticos e comoção pelo assassinato da vereadora Marielle Franco que aconteceu na noite de quarta-feira (14) no Rio de Janeiro.

O ator Selton Mello, que vive Ruffo, um delegado aposentado da Polícia Federal, contou que embora a série tenha foco político, até o público que não está entrosado no assunto conseguirá se identificar com os personagens. "Ruffo é um cara que luta contra o sistema e contra esse mecanismo. Ele é obsessivo por isso. Mas se você olhar bem, ele tem um lado cidadão. É através disso que o público irá se identificar", contou.

Enrique Diaz comentou que seu personagem, Roberto Ibrahim, um dos maiores envolvidos no esquema, tem um lado carismático. De acordo com o ator, ele é um homem, um ser humano que tomou decisões erradas. "Ele não foi criado para ser odiado pelo público, ele errou, mas tem família, é um homem normal", concluiu.

Além disso, os atores também falaram sobre o passado dos personagens que poderá ser bastante explorado em O Mecanismo. "Ruffo e Ibrahim são amigos de infância, mas cada um está em um lado da lei", disse Selton. Enrique completa dizendo que a relação entre os dois é quase como "Tom e Jerry misturado com Caim e Abel".

+ O Mecanismo: Presença de elenco da série e executivos da Netflix agita tapete vermelho

Mesmo trazendo uma série de denúncias e personagens facilmente identificáveis, Elena Soárez, roteirista e criadora da série juntamente com José Padilha, afirma que o humor é algo que está presente, e até os bordões, mesmo inseridos sem querer, fazem diferença para deixar o tema mais leve.

Selton completa dizendo que "é importante ter senso de humor, inclusive o bordão de Ruffo já vivou o nosso Plata o Plomo", fazendo referência ao seriado Narcos, que traz Wagner Moura como o traficante Pablo Escobar e que é dirigida por Padilha

Caroline Abras que vive a policial Verena, pupila de Ruffo, brincou sobre como foi sua preparação para que a personagem siga os passos do mentor. "É muita responsabilidade, né? Estou até tentando fazer uma voz assim, mais rouca", disse enquanto imitava o colega de elenco.

José Padilha comentou sobre a importância de denunciar o sistema, que ele chama de mecanismo, nos mais variados níveis sociais, sem tomar um lado político. "Há corrupção na direita e na esquerda. Exemplo disso é o financiamento de campanhas políticas vindos de grandes empresas para diversos partidos", afirmou.

Lembrando a morte de Marielle, o ator Jonathan Haagensen, que vive um policial federal em treinamento, contou que o caso é um exemplo de violência silenciosa: "E muito triste tudo isso. O caso de Mariella representa aquilo que acontece todos os dias nas comunidades aqui do Rio. Estamos acompanhando na imprensa porque ela é conhecida, mas vemos isso sempre", disse ele visivelmente abalado. "Estou respondendo as perguntas aqui, mas preciso contar que isso não sai da minha cabeça", completou Enrique.

O elenco também traz os atores Leonardo MedeirosAlessandra Colassanti, Maria RibeiroLee TaylorSusana Ribeiro, Antonio Saboia e Otto Jr.

O Mecanismo chega na plataforma no dia 23 de março.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus