Ranking: Os melhores filmes de Steven Spielberg

Jogador Nº1 é um dos melhores longas do diretor, veja o Top 10

26/03/2018 15h30

Por Vinicius Liessi

Responsável por clássicos atemporais como E.T – O Extraterreste e Jurassic Park, Steven Spielberg é um dos cineastas mais influentes de todos os tempos. Seu estilo versátil de fazer cinema o permite transitar por gêneros completamente opostos sem nenhum tipo de dificuldade.

Spielberg possui uma filmografia admirável que inclui dramas biográficos, aventuras, ficções cientificas e, acima de tudo, reconstruções históricas de eventos importantíssimos da Era Moderna. É indiscutível sua importância para a sétima arte.

Poucos diretores foram capazes de emplacar tantos blockbusters sem abrir mão de seu toque autoral. Seu estilo é marcado por técnicas de filmagem como planos-sequência que exploram um ambiente em sua completa magnitude, zoom-in dramáticos no rosto dos personagens para conferir mais emoção a uma sequência e, por fim, tracking shots usados geralmente em campos abertos durante eventos de dimensões épicas.

Até o momento, Steven Spielberg dirigiu 32 filmes, contando com seu último trabalho, Jogador Nº1. Com tantos títulos em sua filmografia, é realmente uma tarefa complicada selecionar apenas 10 filmes. No entanto, estou disposto a enfrentar esse desafio e elaborar uma lista com os 10 melhores filmes da carreira de Steven Spielberg. Veja:

10 - Prenda-me Se For Capaz (2002)

É incrível como Steven Spielberg consegue fazer filmes com tanta agilidade sem deixar a desejar no quesito qualidade. Para se ter uma ideia, em 2002 ele foi responsável pelo lançamento de dois títulos de importância indiscutível para o cinema moderno: Minority Report e Prenda-me Se For Capaz. Este último sendo um dos filmes mais divertidos da carreira do diretor.

Steven Spielberg

Inspirado na vida Frank Abangale Jr. (Leonardo DiCaprio), o filme narra a história de um mestre na arte do disfarce: com apenas 18 anos, ele já havia se passado por médico, advogado e copiloto. Sua habilidade de se infiltrar em praticamente qualquer ambiente fez dele o ladrão de banco mais bem-sucedido na história dos Estados Unidos. No entanto, nem tudo são flores. Ele deve ser inteligente o bastante para despistar o detetive que está em sua cola, interpretado por Tom Hanks.

Logo nos créditos iniciais, Spielberg estabelece um ritmo cativante ao apresentar uma introdução da história no melhor estilo noir com uma pegada irreverente enaltecida pela trilha sonora. O mais interessante é observar como a vida de Frank Abangale Jr. é apresentada de forma imparcial, tanto pela direção quanto pela atuação brilhante de Leonardo DiCaprio.

9 - Minority Report - A Nova Lei (2002)

Baseado no conto de Philip K. Dick, Minority Report propõe uma reflexão sombria sobre o futuro. Steven Spielberg não só constrói um thriller de roer as unhas, mas tece uma crítica sutil ao consumismo e à falta de liberdade individual perante grandes entidades que controlam o establishment político e social.

O filme se passa em um futuro distópico onde crimes são detectados antes mesmo de acontecerem. Isso é possível graças a criaturas paranormais chamadas precogs, capazes de enxergar crimes que acontecerão no futuro graças aos seus poderes psíquicos.

Quando os precogs indicam que alguém irá cometer um crime, essa pessoa é presa no mesmo momento sem nenhuma possibilidade de reação. Tudo corre bem até o momento em que John Anderton (Tom Cruise), líder da força policial, é indicado como um futuro criminoso. A partir de então, ele deve fazer tudo que está a seu alcance para reverter a situação.

Minority Report é uma ficção científica com grande profundidade filosófica que engloba conceitos complexos como livre-arbítrio e determinismo. O ponto alto, no entanto, está na capacidade de Steven Spielberg em construir perfeitamente um universo futurístico em que cada detalhe faz toda diferença. A estética genial de Minority Report pode ser comparada a clássicos do gênero como Blade Runner e Matrix.

8 - Lincoln (2012)

Um dos grandes nomes da história americana, Abraham Lincoln foi o décimo sexto Presidente dos Estados Unidos e teve um papel crucial durante a Guerra Civil ao abolir permanentemente a escravidão no país. Sua história já foi contada diversas vezes em diferentes meios, e Steven Spielberg conseguiu driblar todos os clichês ao recontá-la por uma ótica pessoal e humanista.

A narrativa se concentra nos quatro últimos meses de vida do Presidente e é conduzida de forma lenta e contemplativa, uma recriação precisa do período histórico em questão que consegue conferir a devida importância a personagens secundários fundamentais na jornada do protagonista.

Ainda que os eventos apresentados no filme estejam diretamente relacionados aos desdobramentos da Guerra Civil, o foco de Spielberg se concentra na figura de Abraham Lincoln enquanto indivíduo, alguém que luta por seus ideais e faz o que for preciso para concretizá-los.

É impossível não mencionar a atuação fenomenal de Daniel Day-Lewis, um dos maiores atores de sua geração. O resultado da parceria entre Spielberg e Day-Lewis não deixa a desejar. Lincoln é um drama biográfico repleto de profundidade que traz reflexões importantes acerca de questões humanas como moral e perseverança.

7 - E.t. - O Extraterrestre (1982)

E.T. – O Extraterreste foi exibido tantas na TV aberta durante as últimas décadas que inconscientemente acabamos desconsiderando sua importância para o cinema. Não só uma obra-prima da ficção científica, o filme é até hoje uma aula de como efeitos práticos podem conferir legitimidade a uma história.

E.T. O Extraterrestre

A amizade entre um garoto e um alien que acabou ficando sozinho na Terra é a principal premissa do filme. O que chama a atenção não é a complexidade narrativa da obra, mas sim a incrível sensibilidade com a qual ela é desenvolvida. Não é à toa que esse filme foi um sucesso durante todos os anos em que foi exibido na TV.

Há uma certa magia capaz de conquistar pessoas de todas as idades. O principal artificio utilizado por Spielberg utilizado por Spilerberg para alcançar essa aura mística e ao mesmo tempo familiar é apagar qualquer tipo de barreira entre o real e o fantástico, colocando os dois lados da moeda em uma única história e, assim, cativar a atenção do espectador.

O filme é ambientando em algum bairro de classe média nos Estados Unidos. Um lugar marcado por atividades rotineiras e triviais serve como cenário para abrigar uma criatura de outro planeta que certamente tem algo para passar aos habitantes locais. E.T. – O Extraterreste é um clássico atemporal capaz de conquistar um lugar especial no coração de qualquer pessoa, não importa a qual geração que você pertença.

6 - Contatos Imediatos Do Terceiro Grau (1977)

Contatos Imediatos de Terceiro Grau é o primeiro dos dois únicos filmes escritos e dirigidos por Steven Spielberg (o segundo é Inteligência Artificial, mas tantas alterações foram feitas no roteiro antes do lançamento que muito daquilo que havia sido originalmente escrito por Spielberg acabou se perdendo). Portanto, Contatos Imediatos de Terceiro Grau pode ser considerado o filme mais autoral da carreira do diretor, a concretização não só de seu estilo cinematográfico, mas também da forma como enxerga o mundo.

Roy Neary (Richard Dreyfuss) é um eletricista que, durante um atendimento de emergência em uma rodovia, faz contato com objetos voadores não identificados. Preocupado com as implicações desse estranho contato, Roy conta sua experiência para outras pessoas, mas ninguém acredita nele. Determinado a se aprofundar na busca por explicações, ele acaba descobrindo que uma grande nave está prestes a pousar na Terra.

A maioria dos filmes do gênero retrata os alienígenas como criaturas assustadoras, mas não deveríamos pensar em toda forma de vida como algo intrigante? Como humanista, Spielberg é conseguiu criar os aliens mais interessantes da história do cinema. Contatos Imediatos de Terceiro é uma obra-prima de ficção científica. A visão holística com que desenvolve seu tema principal configura a representação mais próxima que o cinema já chegou de como seria o contato de nós, humanos, com criaturas extraterrestres.

+ Conheça o site de Vinicius Liessi, o Cinema Depois do Café

5 - Jurassic Park (1993)

Jurassic Park foi a concretização de um milagre para uma geração. Em uma época em que os efeitos especiais digitais ainda estavam em seus primórdios, o filme apresentou uma imensidão de possibilidades ao trazer às telas do cinema algo que até então parecia apenas uma realidade distante.

Jurassic Park

Em pleno 2018, uma apresentação da trama principal do filme parece desnecessária, afinal tudo mundo já deve tê-lo assistido pelo uma vez na vida, mesmo que despretensiosamente. De forma breve, a história acompanha um homem rico que constrói um parque habitado por dinossauros e convida alguns de seus parentes para visitá-lo. O grande problema é que a programação acaba se desviando do planejando e pode ser mais perigosa do que o grupo estava imaginando.
Dentre os inúmeros blockbusters emplacados por Steven Spielberg, Jurassic Park é um dos mais importantes, seja por seu tom experimental na área dos efeitos especiais, pela brilhante construção de atmosfera ou por simplesmente criar um dos universos mais incríveis da história do cinema, que evoca um sentimento presente no imaginário de todo mundo: assistir humanos interagindo com dinossauros.

A influência de Jurassic Park é tão enorme que o filme continua a inspirar novas adaptações mais de duas décadas após sua data de lançamento, como é o caso de Jurassic World e Jurassic World: Reino Ameaçado, que tem data de estreia agendada para julho de 2018.

4 - O Resgate Do Soldado Ryan (1998)

Estar no campo de guerra é testemunhar tudo aquilo que existe de pior na humanidade. A proximidade com a morte e a desumanização a que um soldado é submetido pode facilmente levá-lo a loucura. Em O Resgate do Soldado Ryan, Steven Spielberg consegue tecer um retrato humanista daquilo que é fazer parte de uma guerra. Não há heroísmo ou chances claras de redenção, apenas homens vivendo o inferno na Terra enquanto fazem de tudo para que possam voltar para casa.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o alto comando do exército descobre que quatro irmãos Ryan estavam nas forças armadas e que três deles foram mortos. O Capitão John Miller (Tom Hanks) é designado para salvar o último soldado da família Ryan que ainda está vivo e retirá-lo do conflito. A grande dificuldade, no entanto, é chegar até ele. Para completar a missão, John Miller e seus soldados devem percorrer zonas de guerra que os deixam cara a cara com os horrores da guerra.

A jornada dos personagens não nos dá motivos para comemorar. Quando matam um soldado inimigo, suas expressões faciais não demonstram alegria ou esperança, pelo contrário, evidenciam o quanto estão abalados por terem de observar a morte tão de perto.

Ao lado de um elenco igualmente comprometido, Vin Diesel entrega a melhor atuação de sua carreira. A certa altura, o espectador se sente tão próximo dos soldados que a cada momento que um deles morre, é quase como um soco no estômago.

Acima de tudo, O Resgate do Soldado Ryan apresenta uma história comovente que toda a família pode desfrutar. Um dos grandes marcos na filmografia de Spielberg, a obra oferece um vislumbre de quão bom o mundo poderia ser, mesmo diante de tantas tragédias.

3 - A Lista De Schindler (1993)

Denso, emocionante e historicamente preciso, A Lista de Schindler é um dos filmes mais importantes sobre os horrores da Segunda Guerra Mundial. Sua vitória na categoria de Melhor Filme do Oscar é incontestável. Trata-se de tamanha importância cinematográfica que pode ser analisada como um documento histórico, um retrato realista das atrocidades cometidas durante um período obscuro da história da humanidade.

A trama acompanha Oskar Schindler (Liam Neeson), um homem de negócios que vê uma grande oportunidade de ganhar dinheiro trabalhando com os nazistas ao usar trabalhadores de campos de concentração, mas faz planos para salvar o maior número possível de mortos. A Lista de Schindler é uma representação comovente das ações monstruosas dos nazistas e da natureza altruísta de um homem que surpreende até mesmo a si próprio.

Tratando-se do Holocausto, muitos filmes acabam caindo no lugar-comum e em grande parte das vezes, soando exageradamente melodramáticos e até mesmo piegas. A Lista de Schindler consegue se desfazer de todas as convenções estabelecidas dentro dessa temática e entregar uma história comovente que deixa nossos corações apertados.
Filme mais sério de sua carreira, A Lista de Schindler é a prova definitiva que Steven Spielberg é um dos diretores mais versáteis que o mundo já viu.

2 - Os Caçadores Da Arca Perdida (1981)

Primeiro filme da saga Indiana Jones é a melhor introdução que um personagem tão emblemático poderia ter. Fruto de um bate-papo informal entre Steven Spielberg e seu amigo George Lucas, o herói é uma mistura de Sherlock Holmes (inteligência), James Bond (charme), O Homem Sem Nome (destemido) e, é claro, Han Solo (malandro a seu próprio modo).

Cena de

O primeiro filme da saga nos apresenta ao arqueólogo interpretado por Harrison Ford em busca da Arca da Aliança, que, segundo as escrituras bíblicas, conteria "Os Dez Mandamentos" reveladas por Deus a Moisés no Monte Horeb. Por ser um artefato de extremo valor, ele enfrentará um adversário de peso nessa busca: o próprio Adolf Hitler.

Após o completo fracasso de 1941 – Uma Guerra Muito Louca, Steven Spielberg ainda estava tentando se recuperar daquele que viria a ser considerado o pior filme de sua carreira quando decidiu iniciar as filmagens de Os Caçadores da Arca Pedida. O resultado não poderia ter sido melhor: nove indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme, tendo vencido cinco delas.

Com esse filme, Steven Spielberg provou sua capacidade de dirigir entretenimentos de ótima qualidade. A trilha sonora icônica composta por John Williams, os excelentes efeitos especiais, o roteiro inteligente e a fotografia impecável trabalham em perfeita harmonia para criar uma das maiores aventuras de todos os tempos.

1 - Tubarão (1975)

Sem sombra de dúvida, Tubarão é o filme mais interessantes na filmografia de Steven Spielberg. Ao mesmo tempo em que é um dos maiores sucessos de bilheteria de todos os tempos, também é uma obra pessoal e intimista para o cineasta. O filme é tão convincente em sua proposta que durante os últimos anos da década de 70 foi o grande responsável por despertar um pânico coletivo que mantinha as pessoas afastadas da praia.

Tubarão se passa em uma cidade litorânea que está se preparando para a temporada turística de verão mas, de repente, entra em pânico quando ocorre uma série de mortes causadas por tubarões no mar. O chefe de polícia da cidade (Roy Scheider), um oceanógrafo (Richard Dreyfuss) e um capitão veterano (Robert Shaw) partem oceano adentro para derrotar o tubarão, mas essa missão acaba colocando suas próprias vidas em perigo.

O que faz com que um filme de terror seja significativo é sua capacidade de captar aspectos sociais de uma determinada época e usá-los como metáforas para aterrorizar o público, mesmo que inconscientemente. O caso mais recente de um filme de terror que faz isso é Corra!, vencedor de Melhor Roteiro Adaptado no Oscar 2018.

Em Tubarão, o monstro vai muito além de uma criatura devoradora de humanos. Ele é um elemento capaz de desestabilizar a estrutura social de uma pequena cidade, um verdadeiro agente do caos que não precisa expor suas motivações para realizar as atrocidades pelas quais é responsável. Ele simplesmente faz. E a dúvida causada pela omissão proposital de informações é o que acaba sendo mais aterrorizante. Steven Spielberg foi um dos primeiros cineastas a perceber o poder das metáforas em histórias de terror e aplicá-las de forma brilhante naquele que pode ser considerado o melhor filme de sua carreira.

Sobre o autor: Vinicius Liessi é editor do Cinema Depois do Café, blog focado na elaboração de listas e críticas de filmes

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus